Vivendo pra Cristo ! ♥ ♥

Meu maior prazer
É estar em tua presença
E prostrado aos teus pés,
Te adorar, Jesus
Senhor da minha vida
Eu ouço a tua voz,
E sinto o teu mover aqui
Quero mais de ti, Senhor
Do teu poder e tua unção
Eu ergo as minhas mãos e clamo:
Derrama tua glória
Derrama tua Shekinah, Senhor
Inunda o meu ser
Nos rios deste amor...






  






 EU SOU LIVRE PARA TE EXALTAR, MEU DEUS !!!



╰☆╮













Verdades para um Mundo Assustado

Quase todo mundo está com medo. Medo de virar a última página da história e ler em grandes letras: fim. Medo de que as previsões dos cientistas, religiosos e ecologistas se concretizem de uma vez. Medo de ver o nosso planeta transformado em cinzas e condenado a girar para sempre pelo espaço a fora!
Por todos esses temores, faz sentido perder as esperanças? é razoável concluir que Deus não há nada além daquilo que podemos ver e tocar?
Jesus sabia que a nossa geração seria marcada pelo medo. Ele disse: "Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobreviverão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas. E então verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória." Lucas 21:26 e 27.
Os homens estão temerosos diante do que está acontecendo e na expectativa do que vai acontecer. Nunca uma geração esteve tão irrequieta, tão sobressaltada quanto a nossa. Homens e mulheres estão pulando de teoria, de especulação, de culto para culto. Estão tentando encontrar algum sentido para a vida, alguma razão para a existência, alguma esperança.
Mas temos que viver de um lado para o outro como rolhas num mar de incerteza e medo? Não, não temos, pois no meio de todo esse desespero existe um livro muito diferente. é a Bíblia! Há certeza em cada uma de suas páginas e é um livro cheio de esperança! A Bíblia está cheia de esperança porque oferece uma saída para o nosso dilema. Está cheia de esperança por causa do Salvador que ela revela. Está cheia de esperança porque a cruz do Calvário está no centro de tudo!
A Bíblia é um livro que tem transformado inimigos em amigos; tem transformado assassinos em seguidores de Cristo e homens fracos e vacilantes em defensores destemidos da cruz. Este é o livro que estaremos estudando juntos.
Alguém pode dizer: "Não consigo entender a Bíblia. Com os Evangelhos não tenho dificuldade, mas não compreendo muita coisa além disso." Outros acham o Velho Testamento cansativo. E o que dizer do livro de Apocalipse, com todos os seus símbolos? O que devemos fazer? Como devemos estudar a Bíblia?
Todos podemos ler a Bíblia do começo ao fim. Podemos saber por nós mesmos o que existe lá. Também é muito gratificante estudá-la por livros ou capítulos separados. Entretanto, se quisermos descobrir o que a Bíblia ensina sobre um determinado assunto, existe um modo mais direto e Jesus o demonstrou no dia da Sua ressurreição.
Era tarde de domingo. Ele andava com dois de Seus seguidores pelo caminho de Emaús. Eles não sabiam quem era Aquele estranho e não podiam imaginar que fosse Jesus. Partilhavam com Ele do Seu desapontamento dizendo que qualquer outro homem. Eles achavam que tinham cometido um engano. E o que Jesus fez?
Lucas (NT) 24:27 diz: "E começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dEle se achava em todas as Escrituras." Jesus queria que eles vissem que Ele era quem afirmava ser. Queria que eles vissem que Ele viera para morrer. Por isto Ele veio: para morrer em nosso lugar. Esse foi o assunto naquela estrada. E como Ele o desenvolveu? Reuniu o que Moisés, os profetas e todos os escritores da Bíblia tinham dito sobre Ele. Esse era Seu método de estudar a Bíblia. Esse método de estudar a Bíblia era novidade? Não. Encontramos o mesmo método descrito no livro de Isaías(VT), o profeta, no capítulo 28:9 e 10: "A quem pois se ensinaria a ciência? E a quem se daria a entender o que se ouviu? ao desmamado, e ao mandamento, mandamento sobre mandamento; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali."
Quem entenderá a mensagem? A quem Deus dará o conhecimento da Sua palavra e da Sua vontade? Temos sentido muitas vezes que somente os líderes religiosos e os rabinos, os ministros e doutores de teologia poderiam entender a mensagem e nós deixamos essa tarefa para eles. Porém, por mais entendidos que eles possam ser, é indispensável que pesquisemos a Bíblia por nós mesmos. Há tanta coisa em jogo que não podemos deixar apenas para os profissionais.
O que a Bíblia sugere é que existe um método simples, direto e seguro de estudá-la. Sim, o modo seguro de estudar a Bíblia é deixá-la se explicar sozinha. A melhor maneira de entender sua mensagem é juntar tudo o que os vários escritores têm a dizer sobre um determinado assunto, preceito por preceito, linha por linha, um pouco aqui e um pouco ali.
O que é um preceito? Um preceito é uma declaração da verdade, uma ordem ou uma orientação para o nosso entendimento e comportamento. Assim, se um texto não traz um idéia muito clara, outras passagens o explicam. Podemos não entender uma declaração feita por Paulo, mas unida ao que Pedro e Tiago dizem, o assunto se esclarece. Pode haver uma passagem que jamais entenderemos se a lermos sozinha, isolada; mas se a juntarmos a outras passagens sobre o mesmo assunto, se tornará clara.
Suponhamos que você esteja junto a um católico romano sincero, a um bom amigo metodista e a um batista fiel. O católico entende a passagem de modo diferente do metodista, que por sua vez a entende diferente do batista. Agora qual da três pessoas está certa? Qual delas está vendo a verdade sobre esse texto?
Pense a respeito. O batista é fiel? O amigo metodista é fiel? O católico é fiel? O que você diria? Todos os três estão lendo a mesma mensagem, mas cada um de sua própria perspectiva, de seu próprio passado, de seu próprio doutrinamento; por isso cada um vê essa passagem de modo diferente. Portanto, o método que Jesus usou, proposto na própria Bíblia, na passagem que lemos há alguns instantes, resolve esse dilema.
Deus jamais quis que a verdade bíblica fosse descoberta pelo estudo de uma única passagem isolada de seu contexto. E jamais quis que estudássemos a Bíblia baseados apenas em nossa vivência denominacional. Em vez disso, devemos checar nossas crenças e descobrir o ensinamento claro das Escrituras ajuntando o que os seus vários escritores dizem a respeito de um determinado assunto.
Quanto mais passagens colocamos alinhadas sobre um único assunto, mais segura é a interpretação. Existem passagens que, vistas isoladamente, simplesmente não são claras. Não sabemos o que querem dizer. Existem pessoas que argumentam a respeito delas, especulam e a tendência é tentar fazê-las dizer o que querem que digam. Assim, é fácil errar. Mas, se usarmos o método que Jesus usou, estaremos seguros.
Alguns, por muito tempo, têm tentado entender a Bíblia por si mesmos. Entretanto, não têm sabido como proceder. Você sente que precisa de ajuda, precisa de um professor em quem possa confiar? Quem seria um professor imparcial? Existem tantas igrejas, tantas crenças, tantas vozes, todos afirmando estar certos, mas com tantas diferenças, tantas contradições. Então você se retrai e pensa: "Se eu estudar a Bíblia com um de meus amigos católicos, provavelmente me tornarei católico, mas se seu estudar com um amigo presbiteriano, as evidências apresentadas provavelmente me parecerão igualmente convincentes. E se o meu professor for testemunha de Jeová ou um mórmon? Eles também são convincentes. Eu sou um vítima da dúvida. Qual é o orientador que devo escolher? Posso ser malconduzido, apesar da minha sinceridade em querer achar a verdade? "
é simples entender como você se sente. Há uma passagem que irá deixá-lo tranqüilo. é uma promessa de Jesus Cristo e está em  João (NT) 7:17: "Se alguém quiser fazer a vontade dEle, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de Mim mesmo.
Aí está um linda promessa! Se você quiser saber a vontade dEle e se estiver disposto a cumprir essa vontade, você não será malconduzido. você reconhecerá a verdade ou perceberá o erro. Isso não lhe traz confiança? Você pode testar tudo o que ouvir, tudo o que vir e tudo o que ler. Você pode testar tudo por esse método e, se fizer isso, não terá como errar.
Existem muitas coisas emocionantes pela frente, e isso não é nenhum exagero, porque a verdade para o final dos tempos é realmente empolgante. A segunda carta de Pedro (NT) 1:12 diz: "Pelo que não deixarei de exortar-vos sempre acerca destas coisas, ainda que bem as saibais, e estejais confirmados na presente verdade." Destacamos as palavras "na presente verdade", ou seja , verdade para agora. Verdade que precisamos conhecer se quisermos estar preparados para o que vem adiante. Verdade contemporânea. Verdade para os nossos dias, dias dos mais importantes em toda a história, quando Jesus está para retornar, quando o tempo está se esgotando, quando o destino de cada homem, mulher e criança está sendo decidido.
Não existe nenhuma verdade ou mensagem especial para a mais significativa de todas as horas? Teria Deus Se esquecido de nós? Não. Deus tem uma mensagem especial e ela está na Bíblia, em Apocalipse (NT) 14:6 a 12. Comecemos com o versículo 6: "E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a Terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo."
Essa mensagem é chamada de o evangelho eterno, não alguma coisa nova ou estranha, não algo que o homem tenha inventado. é o mesmo evangelho encontrado por todo Velho e Novo Testamentos, mas é dado com um novo senso de urgência para esta época em particular. é a presente verdade, verdade contemporânea para a era precária em que vivemos: e refere-se a questões de vida ou morte. Essa mensagem é tão importante, tão urgente, que deve ir, e irá, e está indo, para todas as nações, línguas e povos ao redor do mundo.
O versículo 7 diz: "Dizendo com grande voz: temei a Deus e dai-lhe glória; porque vinda é a hora do Seu juízo. E adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas."
Que mensagem é essa que vai com grande voz por todo o mundo? Tema a Deus, não tenha pavor dEle, mas O reverencie. Honre, adore, coloque a Deus em primeiro lugar e então, dê glória a Ele. Não a nós mesmos, não às nossas realizações, não à tecnologia, mas dê glória a Deus. E por que essa mensagem é tão urgente? Porque resta pouco tempo e chegou a hora do julgamento de Deus.
Agora os registros de homens e mulheres estão sendo revisados e seu destino decidido. Estamos no final dos tempos, não resta muita coisa mais. O que Deus nos pede para fazer neste final dos tempos? Adorar o Criador, Aquele que fez o Céu e a Terra. Esta geração está fazendo isso? Os estudantes nos grandes centros de aprendizagem estão sendo ensinados a adorar a Deus como Criador? Não. Eles estão sendo ensinados a reverenciar as longas teses do acaso e das transformações. Mas no passado, quando o Senhor Jesus mandou Seu anjo ao profeta João e deu a ele as Revelações do Apocalipse, Deus sabia o que era necessário hoje. Ele sabia que esta geração iria negar Seu ato criativo e Ele os chama de volta para adorarem o Criador do nosso mundo. Pode alguma coisa ser mais apropriada?
No versículo 8 encontramos a mensagem do segundo anjo. "Caiu Babilônia", o símbolo de todo culto falso. Tornou-se irremediavelmente corrupta. A seguir, a mensagem do terceiro anjo, que é encontrada nos versículos 9 a 11, é uma advertência solene contra a falsa adoração. é uma das advertências mais sérias encontradas em todas as Escrituras.
Essas mensagens, simbolizadas por três anjos voando pelo meio do céu, são o último chamado de Deus à raça humana. Mas quem dará essas mensagens? A que tipo de pessoa Deus confiará mensagens tão importantes, tão vitais. Encontramos uma boa pista no versículo 12: "Aqui está a paciência dos santos: aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus." Os mandamentos de Deus e a fé de Jesus, evidentemente, pertencem um ao outro.
Pode parecer coincidência, mas em Apocalipse (NT) 12:17 encontramos quase a mesma coisa. é sem dúvida alguma um sinal de identificação, mas como saberemos se esse é um povo dos últimos dias e que as mensagens dos três anjos são mensagens do final dos tempos?
O primeiro dos três anjos anuncia que a hora do juízo de Deus é chegada. Desde que Jesus disse que o juízo viria no final dos tempos, isso faz dela uma mensagem do final dos tempos. E sabemos também porque as mensagens simbolizadas pelos três anjos se seguem quase imediatamente, nos versículos 14 a 16 por uma descrição do Senhor Jesus descendo dos céus para colher a seara da terra.
Começando com o versículo 14, lemos: "E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do homem, que tinha sobre a Sua cabeça uma coroa de ouro, e na Sua mão uma foice aguda. E o outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a Tua foice, e sega; é já vinda a hora de segar, porque já a seara da terra está madura."
Jesus disse que a seara é o fim do mundo e os ceifeiros são os anjos. A segunda vinda de Cristo, logo após a mensagem do final dos tempos, é o glorioso clímax. Esta é a esperança de cada cristão. O último chamado de Deus para este planeta rebelde foi e está sendo partilhado com todos!
Esta é a hora emocionante em que vivemos, uma hora quando os sons da Sua vinda já estão bem próximos de nós, pois tudo o que acontece, cada incêndio catastrófico, cada terremoto, cada vulcão em erupção, cada inundação devastadora, cada ameaça de guerra, tudo está dizendo uma coisa: Jesus virá em breve!
A maneira como reagiremos a tudo isso depende inteiramente do nosso relacionamento com o Senhor Jesus Cristo. Se O temos rejeitado e recusado o sacrifício que Ele fez por nós no Calvário, Sua volta não será bem-vinda, mas se fizermos dEle nosso Amigo e Salvador, os sons de Sua vinda serão para nós a confirmação de que a vida eterna é uma realidade.

Por que tantas religiões?

Por que existem tantas religiões?

Como podemos encontrar a religião certa?
Alguém já pensou procurá-la nas páginas amarelas da lista telefônica? Recorremos à lista para muitas coisas, mas essa reposta não encontramos lá. Nosso objetivo é a verdade. A verdade não está à venda. Em certas páginas amarelas podemos encontrar colunas e colunas de igrejas, mas como alguém poderá escolher acertadamente em meio a tantas opções?
Você teria coragem de fechar os olhos e correr o dedo por uma página e escolher por acaso aquela igreja onde seu dedo parasse? Certamente, ficaria confuso, porque a questão parece ir muito além das páginas amarelas. Estamos vivendo em uma época de mudanças radicais. As igrejas, por sua vez, na tentativa de mostrar interesse pelo povo, envolvem-se com a ação social, a política, a guerra e a pobreza. Enquanto isso, o Evangelho de Cristo tem sido colocado de lado.
O que tem ocorrido nos últimos tempos é uma deterioração dos valores morais. Cercados pelas dúvidas, há os que pensam em se desligar das igrejas, por considerá-las desnecessárias. E quanto aos caminhos diferentes, inovadores, será que são guias seguros na procura da verdade? Por causa disso tudo, muitas ovelhas desgarradas (como define o Evangelho) estão voltando ao rebanho. E muitas ainda permanecem em dúvida. Você pode ser uma dessas pessoas. A dúvida pode estar atravessada em seu caminho.
Se seu desejo é exclusivamente encontrar a verdade sem subterfúgios, você não irá à procura de uma igreja pela altura de suas torres, pela riqueza de seus altares ou pela elegância de seus adeptos. Existem milhões e milhões de pessoas que se proclamam cristãs. Ela acreditam no cristianismo, opondo-se ao hinduísmo, budismo, islamismo ou judaísmo. Mas, além do vago rótulo de cristãs, não há mais semelhanças.
Cristãos e igrejas cristã parecem ir à procura de todo o tipo de variedades. Você está procurando uma organizacão grande, com muitos milhões de adeptos, ou um pequeno e discreto grupo? Uma igreja antiga ou uma igreja nova? Alguns escolhem uma igreja apenas porque ela está ali na esquina. Outros consideram a amizade muito importante. Há os que são atraídos pela música de um grande órgão ou pelo canto de um coral, ou procuram um pastor simpático e carismático. Poucos, muitos poucos, dão qualquer importância, ou qualquer prioridade, à verdade.
A verdade é o fator mais importante. Deus coloca a verdade à nossa frente. Vamos ver o que Ele diz através do profeta Isaías (VT) 8:20: "A Lei e ao Testamento! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva." Sem a luz que brilha da Palavra de Deus, não chegaremos ao pleno conhecimento da verdade.
A Bíblia dá uma resposta muito clara e compreensível: "E viu-se um grande sinal do céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz." Apocalipse (NT) 12:1 e 2.
A mulher, na profecia bíblica, significa Igreja. Deus usa com freqüência o símbolo de uma mulher para representar a Igreja. Uma mulher pura e bonita representa a verdadeira Igreja. E uma mulher prostituta representa uma igreja falsa. Tendo isso em mente, entenderemos a profecia. Quando algumas pessoas lêem o livro do Apocalipse, exclamam:
- Que coisa horrível! O capítulo 17 fala sobre prostituta!
é bom, entretanto, que você compreenda bem a linguagem bíblica e saiba que o profeta não está se referindo à impureza física. Na verdade, "a mulher vestida de púrpura e de escarlate" ( Apocalipse 17:4) representa uma igreja falsa, infiel ao Senhor. Não se esqueça de que o Novo Testamento fala também da Igreja como a noiva de Jesus. A Igreja aí é, também, simbolizada por uma mulher e Cristo é seu noivo. O caráter da mulher, no Apocalipse, simbolizava a Igreja verdadeira e a igreja falsa.
Continuando a leitura de Apocalipse (NT)12:3 e 4, João descreve: "E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho”.
O dragão é inquestionavelmente Satanás, o anjo caído que levou um terço dos anjos com ele na rebelião. O dragão estava diante da mulher, ou da Igreja, para devorar Seu filho tão logo Ele nascesse. Vamos recordar que Satanás, através de Herodes, o governador romano, tentou destruir a Cristo decretando que todas as crianças do sexo masculino encontradas em Belém fossem mortas. Mas Satanás não foi bem-sucedido.
Vejamos o versículo 5: "E deu à luz um filho., um varão que há de reger todas as nações, com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono." Jesus está a salvo, ao lado do Pai. Mas Satanás não desistiu. Após fracassar na tentativa de destruir Jesus, voltou sua atenção para a mulher, a Igreja, e determinou destruir Seu povo. Isso é o que está retratado com clareza nas Escrituras.
O versículo 6 esclarece que "a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias." A Igreja, atacada por Satanás, passou momentos terríveis. O período de perseguição durou 1260 dias proféticos, cada dia simbolizando um ano literal. A Igreja fugiu para o deserto porque ela precisava de segurança contra a incansável perseguição, que começou logo depois da morte dos apóstolos e iria aumentar no domínio de Justiniano I, no ano 527 da nossa era.
Justiniano oprimiu a verdadeira Igreja - a primitiva - retirando toda a proteção dos que chamava de dissidentes. Os cristãos passaram a ser perseguidos pelo simples crime de permanecerem leais à Palavra de Deus. Essa opressão atingiu sua incontrolável fúria no ano 538. Esse número somado a 1260 nos leva a 1798. Após quase 13 séculos no deserto, Deus impediu que Sua Igreja fosse extinta. Agora observe o que diz o versículo 14: "E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo representam o mesmo período de 1260 anos”.
De acordo com o versículo 16, "a terra ajudou a mulher". Nas montanhas, nos lugares mais afastados, a mulher (a Igreja) se protegeu contra os ataques de Satanás e assim sobreviveu. Logo em seguida, a vemos vitoriosa. E ela permanece assim até o final dos tempos. E chegamos ao versículo 17 do capítulo 12: "E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao resto da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo."
Vamos relembrar o que estudamos até aqui. João, o revelador, viu uma bonita mulher representando a Igreja verdadeira de Jesus Cristo, em pé nos céus. Estava grávida, esperando um filho. Uma coroa de 12 estrelas adornava-lhe a cabeça. A Igreja, como se vê, com a coroação de glória dos 12 apóstolos, encontra-se sobre a lua, que não tem luz própria e apenas brilha com luz emprestada. Esse foi o princípio da era cristã. A lua simboliza as sombras e cerimônias do Velho Testamento, que passaram para sempre com o sacrifício de Cristo.
A mulher vestida com o fulgor do sol, ou seja, com o brilho do Evangelho, projetou-se para o futuro. Seu filho foi perseguido pelo dragão, e permanece finalmente a salvo no Céu. A Igreja tornou-se o alvo da perseguição por 1260 anos. Apesar de toda esta fúria destrutiva, ela está viva em nossos dias, consolidada na fé de Jesus e nos mandamentos de Deus.
Durante nosso estudo, quando utilizamos a palavra igreja, não pensamos em nenhuma denominação religiosa. No Novo Testamento, o termo Igreja significa a sociedade religiosa fundada por Jesus Cristo. Seus adeptos são, portanto, os escolhidos de Deus. é muito confortante saber disso, você não acha?
E quanto à predição? Ela se cumpriu? Perfeitamente. Uma tremenda avalanche de perseguição foi desencadeada contra os seguidores de Cristo. Começou com Nero, mais ou menos na época do martírio de Paulo. Os cristãos foram falsamente acusados dos mais hediondos crimes, inclusive de calamidades naturais e terremotos. Muitos foram atirados às feras ou levados às fogueiras, sendo alguns até crucificados.
Mas não ficou só nisso. A perseguição continuou. Entretanto, os cristãos permaneceram firmes. Os que deram a vida à causa de Cristo foram substituídos por outros igualmente leais. Satanás viu que não poderia destruir a Igreja pela violência e resolveu tramar outros métodos: agir em silêncio e trabalhar dentro da Igreja. Como lobo vestido com pele de cordeiro, sua tática colocou a Igreja em tremendo perigo. A concessão tornou-se uma arma mais eficiente do que a morte.
A Igreja, com a pretensão de ser popular, cortejou o mundo. Pagãos em grande número trouxeram seus ídolos, superstições e cerimônias. A popular Igreja visível estava agora corrompida. Não podia mais ser representada pela mulher bonita e pura de que nos fala Apocalipse 12. O pequeno núcleo de cristãos que se mantivera firme, seguindo a Cristo e aos apóstolos, jamais poderia aceitar a heresia e a corrupção. Só lhe restava uma opção: esconder-se, fugir para o deserto, como estava perdido.
Durante toda a Idade Média, por quase 13 séculos, a Igreja teve que permanecer com seu pequeno núcleo de fiéis escondido. Somente Deus sabe quantos foram martirizados naqueles anos terríveis. A perseguição já não vinha de fora. Eram cristãos perseguindo outros cristãos. Foram praticadas as maiores atrocidades em nome da religião. Parece que não existe algo tão terrível como o terror praticado em nome de Deus. Mas através de toda a Idade Média a luz da fé e da esperança jamais se apagou.
As ameaças, os riscos e a própria morte não foram suficientes para apagar a chama viva da verdade conforme a experiência vivida pelos valdenses, em 1655. Eles estavam reunidos na "Chiesa de la Tanna", a Igreja da Terra, onde por muitos anos cantaram, oraram e compartilharam seu testemunho destemido. Um dia, porém, 250 deles foram surpreendidos naquela caverna. Os soldados fizeram uma fogueira na única entrada existente. Enquanto o oxigênio era consumido, eles cantavam louvores a Deus até terminar o fôlego, até a hora da morte. John Milton, o poeta cego, autor do célebre poema "Paraíso Perdido", impressionado com o martírio sofrido por esses heróis, escreveu:
"Vingai, ó Senhor, Teus santos trucidados, cujos ossos jazem espalhados pela fria montanha alpina, aqueles que mantiveram Tua verdade pura, quando nossos pais adoravam pilares e pedras.
Mas a tocha da verdade nunca foi totalmente extinta e, em 1798, chegou ao fim o período dos 1260 anos. Na maior parte da Europa, a perseguição havia cessado 25 anos antes. Jesus havia dito que, "se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria." O Movimento de Reforma havia cumprido seu papel. Os tradutores da Bíblia tinham concluído seu trabalho. As impressoras estavam publicando as Escrituras para serem espalhadas pelo mundo e se tornar disponível para todos.
A Igreja primitiva, a verdadeira igreja, a mulher de que nos fala Apocalipse 12, nasceu no início da era cristã e representa a fé inabalável de Jesus Cristo em toda a sua pureza. Ela prossegue através dos séculos.
é como se ela tivesse entrado no túnel par atravessar os séculos. Procurou esconder-se. Desapareceu durante um período de 1260 anos, tal como previa o apocalipse, e saiu do túnel em 1798, com os estigmas e as marcas de seu longo sofrimento, mas como guardiã da verdade, ainda resplandecendo a pureza da fé recebida de Jesus e dos apóstolos.
Você já imaginou quanta confusão causaria se desse túnel não saísse uma única e verdadeira Igreja, mas 212 ramificações da fé cristã, com diferentes denominações, credos e ismos, uma contra a outra na maioria das vezes? Certamente você diria, com justa razão, que alguma coisa aconteceu no túnel do deserto. Mas as verdades de Deus, fielmente seguidas, apesar de toda a perseguição, devem ter voltado também do deserto.
Não há dúvida de que a Igreja verdadeira sobreviveu em seu longo afastamento. Mas como podemos saber qual a verdadeira Igreja hoje, em meio a tantas denominações?
Como iremos distinguir a verdadeira da falsa? Acreditamos que devemos avaliar a Igreja como Deus o faz. Ele mede uma Igreja por sua reação à verdade. E Ele nos mede do mesmo modo. Ninguém pode dizer que sua Igreja é a única que será salva no final, porque Deus salva as pessoas, individualmente, e não as Igrejas. Portanto, meça a sua Igreja pelo que ela ensina como verdade.
Voltando a Apocalipse 12:17, Satanás ficou bravo com a Igreja e foi fazer guerra ao resto de sua semente, ao resto da Igreja nos últimos dias, aos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo. Como se vê, com clareza, Satanás foi fazer guerra contra o resto da Igreja, não com a Igreja primitiva, nem da Idade Média, mas com a Igreja do tempo do fim, o resto de sua semente, os que guardam os Mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.
Como a Igreja no final dos tempos manterá a verdade? A Igreja manterá a verdade guardando os mandamentos de Deus, inclusive o sábado, e mantendo o testemunho da fé. é preciso não esquecer que as marcas distintas da verdade saíram imaculadas do túnel do deserto e aguardam a volta de Jesus. Deus preocupa-se tanto com Seu povo que o último livro da Bíblia - o Apocalipse - traça claramente Sua verdade desde o início da Igreja cristã, nos dias de Cristo, até os nossos dias, e nos dá certeza de que não pode haver confusão nem mal-entendidos em nossa busca da verdade.
Se amarmos verdadeiramente Jesus, devemos nos lembrar que Sua promessa é enviar o Seu Santo Espírito para iluminar o caminho da verdade. Basta escolhermos se conduzidos por Ele, basta sermos sensíveis so som de Sua voz dizendo: "Segue-Me."

Pedido de Oração


“E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer, Dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem. Havia também, naquela mesma cidade, uma certa viúva, que ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário. E por algum tempo não quis atendê-la; mas depois disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, Todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte, e me importune muito. E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz. E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra” (Lucas 18.1-8)


            Quando Jesus viveu como homem entre nós, ele fez muitas maravilhas. Transformou água em vinho, curou doentes, andou sobre as águas, fez a tempestade acalmar, ressuscitou mortos e, depois de morrer e ser sepultado. Ressuscitou. Para realizá-las teve um relacionamento singular com o Pai. Chegou a dizer que ele e o Pai eram um só. Os evangelhos registram muitas referências às suas orações. Mas é Lucas o que mais escreveu sobre essa característica de Jesus. Ele orou no seu batismo (Lc 3.21); orou antes de escolher os doze discípulos (6.12); orou antes de perguntar aos seus discípulos quem o povo dizia que ele fosse (9.16); orou no mente da transfiguração (9.29); orou no jardim do Getsêmani (22.41) e orou na cruz (23.34,46).
            Além dessas orações registradas por Lucas, creio que ele deve ter orado muitas outras vezes. Certamente orou ao enfrentar os seus opositores, os lideres religiosos em Jerusalém, que estavam à procura de uma oportunidade para tirar-lhe a vida. Imagino que tenha orado a fim de responder objetivamente à perguntas de seus discípulos, no ponto mais critico de sua vida terrena e ao sofrer as chicotadas dos soldados romanos em seu ombro ensangüentado.
            Jesus necessitou orar durante sua vida na terra. Ensinou aos seus discípulos o valor da Oração. Quanto mais eu e você necessitamos orar!
Como poderemos suportar o estresse da vida diária sem orar?
Como poderemos viver a vida cristã sem orar?
Quando oramos nos momentos críticos da nossa vida  descobrimos que a oração é a alavanca que remove os obstáculos que se opõem a sua vida de tranqüilidade e paz. Jesus está sempre pronto a ouvir as nossas orações porque ele mesmo sabia o seu grande poder. Ore, ore muito! Ore, ore cristão como Jesus orou.

Orem continuamente (1 Ts 5.17)

Seguidores

Blogger news

Image du Blog perolascraps.centerblog.net
Source : perolascraps.centerblog.net sur centerblog.